quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Disney negocia e anuncia compra de partes da 21st Century Fox

dezembro 14, 2017
Fox agora poderá unir personagens na Marvel
Após semanas de negociações e notícias, a The Walt Disney Company confirmou hoje (14) a compra de algumas divisões da 21st Century Fox.

No comunicado oficial, as empresas confirmam que o acordo inclui a Twentieth Century Fox Film, Fox Searchlight Pictures, Fox 2000, os estúdios de TV, junto com os negócios internacionais de TV a cabo. O valor aproximado da negociação é de US$ 52.4 bilhões. A Disney afirma no texto que a compra possibilitará a criação de mais conteúdos, possivelmente para seu serviço de streaming, que tem lançamento previsto para 2019.

Já a 21st Century Fox vai separar empresas como Fox News Channel, Fox Business Network, FS1, FS2 e Big Ten Network e formar uma nova companhia, que será divulgada para seus acionistas em breve. Dentro da negociação, a Disney também confirma que assumirá algumas dívidas da Fox, estimadas em US$ 13.7 bilhões.

Sobre as produções em si, o comunicado cita que a Disney tem agora franquias remonadas do estúdio, como Avatar, X-Men, Quarteto Fantástico, Deadpool, A Forma da Água, entre outras. Na parte de TV, que inclui FX, Twentieth Century Fox Television e Fox21, o acordo inclui The Americans, This is Us, Modern Family, O Simpsons, entre outras produções. A Disney também assume a Fox Sports e as partes da Fox no Hulu.

"A aquisição dessa estelar coleção da 21st Century Fox reflete o aumento da demanda dos consumidores por uma rica diversidade de experiências de entretenimento, que são mais convincentes, acessíveis e convenientes do que nunca", afirmou Robert A. Iger, chefe executivo da The Walt Disney Company.

Para finalizar, o comunicado diz que essa é uma oportunidade para a Disney reunir X-Men, Quarteto Fantástico e Deadpool com a "família Marvel".
 
Fonte: Omelete

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Banco Mundial propõe agenda liberal para o Brasil

novembro 23, 2017
agenda liberal
Instituição divulgou os resultados do estudo em que traça uma série de medidas para que o País se enquadre no teto de despesas e melhore suas contas; o banco sugere, entre outros pontos, congelar salário de servidores e acabar com as universidades públicas.


O Banco Mundial fez um retrato do Brasil: um País que gasta muito e mal e que terá de fazer escolhas duras para ajustar suas contas.

Obras super-faturadas e inacabadas, desvios de verbas para medicamentos, equipamentos para unidades básicas de saúde, escolas caindo aos pedaços, sem infra-estrutura mínima para educar as atuais e futuras gerações, transformar as pesquisas cientificas em "miragens", exportando "cérebros"  para o exterior. 

O Eldorado existe, mas pelo visto, está bem longe daqui..

O ano que vem é eleitoral, e agenda liberal é um palavrão para certos perfis ideológicos..

Mas será que as dezenas de milhares de vitimas da insegurança pública, dos hospitais sem verbas e das estradas "mortais" não é um palavrão maior e mais feio?? 

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Viagem sem fim

novembro 13, 2017
Pois estamos em um mar com águas turbulenta, com o nosso barquinho que enfrenta piratas e tubarões, entre a voracidade do poder público que nos toma tudo na forma de impostos, e a fragilidade das instituições que estão inseguras, então estão radicalizando, tentando canibalizar quem deles discorda.


São tempos tristes, em que a truculência e a falta de respeito impera… até penso que voltamos (se algum dia saímos) da idade medieval… Vale a lei do mais forte e “Você sabe com quem está falando??”

Nada nos permite acreditar que exista calmaria ali à frente..

Matar um leão por dia não mais nos garante nada e daqui para frente, vai faltar leões (ou serão superfaturados).

Será que cairemos mais uma vez, na farsa do “salvador da pátria” quando na realidade ele são salvadores de si próprios?

Dias duros pela frente…

sábado, 4 de novembro de 2017

7 dicas para melhorar a gestão da sua empresa e aumentar a produtividade

novembro 04, 2017
Gestão de empresasUm dos principais vilões da produtividade em uma organização é o retrabalho


Entregar cada vez mais com menos recurso tem sido um mantra adotado e repetido pela maioria das empresas brasileiras. Porém, à primeira vista, pode parecer contraditório ter uma gestão baseada em redução de custos e aumento de produtividade, sem perder a qualidade de serviços oferecidos.

O segredo para otimizar a estrutura organizacional e garantir uma gestão eficiente dos negócios está na adoção de algumas práticas simples de serem implementadas, seja em Centros de Serviços Compartilhados (CSC) ou em outras áreas administrativas. Para isso, sugiro aplicar metodologias de combate aos sete principais fatores que podem comprometer a produtividade em qualquer empresa.

São eles:

1. Retrabalho

Um dos principais vilões da produtividade em uma organização é o retrabalho. Suas causas podem ser diversas, porém as mais frequentes estão relacionadas às interfaces da área com seus clientes internos e externos, como o recebimento de solicitações em duplicidade, com dados incompletos ou sem a documentação necessária. Fato que pode ser amenizado ao estabelecer regras para solicitar novas demandas, como a criação de formulários com campos de preenchimento obrigatório, a recusa de solicitações incompletas e a definição de prazos limite para as mesmas.

2. Interferências

Estima-se que é necessário entre cinco e dez minutos para retomar a concentração após uma interrupção. As interferências não se resumem a telefonemas e e-mails, mas envolvem também chats e aplicativos de mensagens instantâneas que atrapalham e geram improdutividade, além de aumentar o índice de erros nas atividades. Uma saída segura é adotar um modelo de atendimento que permita organizar e controlar o recebimento de demandas de forma centralizada, “blindando” o restante da equipe das interrupções.

3. Demandas esporádicas ou sem sinergia

Um dos principais desafios de quase todas as empresas é cumprir prazos diferentes para demandas que envolvem diversas áreas e pessoas, o que aumenta a complexidade na gestão e exige uma maior disponibilidade da equipe em possíveis picos. A definição de prazos e cronogramas pré-estabelecidos permitem equalizar este timing e gerar sinergia no processamento das atividades. Estabelecer uma data fixa para o pagamento e dias fixos de contratação são bons exemplos. A consolidação de demandas aumenta a sua previsibilidade e facilita a alocação do time, podendo, inclusive, evitar a necessidade de horas extras excessivas.

4. Burocracia ou atividades desnecessárias

Como o tempo, alguns processos de rotina podem se tornar obsoletos. É o caso do uso de documentos criados para uma necessidade específica e que já não têm mais sentido, a realização de conferências que já são garantidas por sistemas de TI ou a geração de relatórios customizados, que deixaram de ser utilizados. É preciso revisar constantemente os processos para identificar atividades que possam ser eliminadas ou simplificadas.

5. Atividades manuais

Um dos fatores com maior impacto na produtividade são as atividades manuais, muitas vezes decorrentes do uso de diversos sistemas legados, “herdados” de áreas descentralizadas.

Para cada necessidade de negócio, há soluções de automação de processos diferentes, como soluções de BPMs (Business Process Management), Sistemas de Gestão (ERP), entre outras, podendo trazer resultados mais imediatos ou mudanças estruturais mais complexas. Uma tecnologia que vem se tornando uma tendência é a automação de processos via RPA (Robotic Process Automation). Funciona como um assistente virtual que imita atividades realizadas por um humano, automatizando tarefas manuais e repetitivas. O RPA permite uma rápida automação das atividades a um baixo custo de implementação.

6. Ociosidade

É comum observarmos que o trabalho se expande para ocupar todo o tempo disponível. Para avaliar se o volume da demanda está adequado à quantidade de recursos de mão de obra, é necessário avaliar a produtividade individual de cada colaborador. Nas atividades com maior volume, uma boa opção é o uso da cronoanálise, uma técnica da indústria utilizada para avaliar a eficiência e o real tempo dedicado a tarefas que efetivamente agregam valor ao processo. Com essa análise, é possível verificar os pontos que tornam alguns profissionais mais produtivos que outros e identificar procedimentos que otimizam o processo, promovendo o compartilhamento dessas melhores práticas entre a equipe, melhorando o desempenho da operação como um todo.

7. Adequação Salarial

É comum nas empresas encontrarmos pessoas que estão desempenhando as mesmas funções há muito tempo. Estes profissionais têm seu custo aumentado ao longo do tempo, sem que isso seja acompanhado por um aumento na mesma proporção do valor agregado à companhia.

Sendo assim, para manter a estrutura de custos sob controle, é fundamental o estabelecimento de um plano de carreira para que profissionais tenham alternativas de desenvolver novas competências e realizar novas atribuições que geram mais valor à companhia, ao mesmo tempo que tem seu custo aumentado, seja pela correção monetária ou por promoções. Outra alternativa é realizar a renovação dos recursos que não se adequem ao plano de carreira, mantendo o custo controlado, em comparação ao desafio da função. Dessa forma, é possível alinhar a natureza e a complexidade das atividades à senioridade e ao perfil salarial dos colaboradores, dando oportunidades de crescimento para todos.

Com a prática dessas iniciativas é possível garantir uma gestão mais eficiente, tendo como resultados, não somente a redução de custos operacionais e administrativos, como também o aumento do foco em atividades que agregam mais valor ao negócio, como a análise de dados e a identificação de oportunidades que tragam ganhos para a empresa.

Tarcisio Adamek — Diretor de Desempenho Empresarial e CSC da TOTVS Consulting

Autor

Sobre
Adm. de Empresas, Gaúcho, Parlamentarista e defensor do Voto Distrital Puro. , Saiba mais

Leia também

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Disney negocia e anuncia compra de partes da 21st Century Fox

Fox agora poderá unir personagens na Marvel
Após semanas de negociações e notícias, a The Walt Disney Company confirmou hoje (14) a compra de algumas divisões da 21st Century Fox.

No comunicado oficial, as empresas confirmam que o acordo inclui a Twentieth Century Fox Film, Fox Searchlight Pictures, Fox 2000, os estúdios de TV, junto com os negócios internacionais de TV a cabo. O valor aproximado da negociação é de US$ 52.4 bilhões. A Disney afirma no texto que a compra possibilitará a criação de mais conteúdos, possivelmente para seu serviço de streaming, que tem lançamento previsto para 2019.

Já a 21st Century Fox vai separar empresas como Fox News Channel, Fox Business Network, FS1, FS2 e Big Ten Network e formar uma nova companhia, que será divulgada para seus acionistas em breve. Dentro da negociação, a Disney também confirma que assumirá algumas dívidas da Fox, estimadas em US$ 13.7 bilhões.

Sobre as produções em si, o comunicado cita que a Disney tem agora franquias remonadas do estúdio, como Avatar, X-Men, Quarteto Fantástico, Deadpool, A Forma da Água, entre outras. Na parte de TV, que inclui FX, Twentieth Century Fox Television e Fox21, o acordo inclui The Americans, This is Us, Modern Family, O Simpsons, entre outras produções. A Disney também assume a Fox Sports e as partes da Fox no Hulu.

"A aquisição dessa estelar coleção da 21st Century Fox reflete o aumento da demanda dos consumidores por uma rica diversidade de experiências de entretenimento, que são mais convincentes, acessíveis e convenientes do que nunca", afirmou Robert A. Iger, chefe executivo da The Walt Disney Company.

Para finalizar, o comunicado diz que essa é uma oportunidade para a Disney reunir X-Men, Quarteto Fantástico e Deadpool com a "família Marvel".
 
Fonte: Omelete

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Banco Mundial propõe agenda liberal para o Brasil

agenda liberal
Instituição divulgou os resultados do estudo em que traça uma série de medidas para que o País se enquadre no teto de despesas e melhore suas contas; o banco sugere, entre outros pontos, congelar salário de servidores e acabar com as universidades públicas.


O Banco Mundial fez um retrato do Brasil: um País que gasta muito e mal e que terá de fazer escolhas duras para ajustar suas contas.

Obras super-faturadas e inacabadas, desvios de verbas para medicamentos, equipamentos para unidades básicas de saúde, escolas caindo aos pedaços, sem infra-estrutura mínima para educar as atuais e futuras gerações, transformar as pesquisas cientificas em "miragens", exportando "cérebros"  para o exterior. 

O Eldorado existe, mas pelo visto, está bem longe daqui..

O ano que vem é eleitoral, e agenda liberal é um palavrão para certos perfis ideológicos..

Mas será que as dezenas de milhares de vitimas da insegurança pública, dos hospitais sem verbas e das estradas "mortais" não é um palavrão maior e mais feio?? 

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Viagem sem fim

Pois estamos em um mar com águas turbulenta, com o nosso barquinho que enfrenta piratas e tubarões, entre a voracidade do poder público que nos toma tudo na forma de impostos, e a fragilidade das instituições que estão inseguras, então estão radicalizando, tentando canibalizar quem deles discorda.


São tempos tristes, em que a truculência e a falta de respeito impera… até penso que voltamos (se algum dia saímos) da idade medieval… Vale a lei do mais forte e “Você sabe com quem está falando??”

Nada nos permite acreditar que exista calmaria ali à frente..

Matar um leão por dia não mais nos garante nada e daqui para frente, vai faltar leões (ou serão superfaturados).

Será que cairemos mais uma vez, na farsa do “salvador da pátria” quando na realidade ele são salvadores de si próprios?

Dias duros pela frente…

sábado, 4 de novembro de 2017

7 dicas para melhorar a gestão da sua empresa e aumentar a produtividade

Gestão de empresasUm dos principais vilões da produtividade em uma organização é o retrabalho


Entregar cada vez mais com menos recurso tem sido um mantra adotado e repetido pela maioria das empresas brasileiras. Porém, à primeira vista, pode parecer contraditório ter uma gestão baseada em redução de custos e aumento de produtividade, sem perder a qualidade de serviços oferecidos.

O segredo para otimizar a estrutura organizacional e garantir uma gestão eficiente dos negócios está na adoção de algumas práticas simples de serem implementadas, seja em Centros de Serviços Compartilhados (CSC) ou em outras áreas administrativas. Para isso, sugiro aplicar metodologias de combate aos sete principais fatores que podem comprometer a produtividade em qualquer empresa.

São eles:

1. Retrabalho

Um dos principais vilões da produtividade em uma organização é o retrabalho. Suas causas podem ser diversas, porém as mais frequentes estão relacionadas às interfaces da área com seus clientes internos e externos, como o recebimento de solicitações em duplicidade, com dados incompletos ou sem a documentação necessária. Fato que pode ser amenizado ao estabelecer regras para solicitar novas demandas, como a criação de formulários com campos de preenchimento obrigatório, a recusa de solicitações incompletas e a definição de prazos limite para as mesmas.

2. Interferências

Estima-se que é necessário entre cinco e dez minutos para retomar a concentração após uma interrupção. As interferências não se resumem a telefonemas e e-mails, mas envolvem também chats e aplicativos de mensagens instantâneas que atrapalham e geram improdutividade, além de aumentar o índice de erros nas atividades. Uma saída segura é adotar um modelo de atendimento que permita organizar e controlar o recebimento de demandas de forma centralizada, “blindando” o restante da equipe das interrupções.

3. Demandas esporádicas ou sem sinergia

Um dos principais desafios de quase todas as empresas é cumprir prazos diferentes para demandas que envolvem diversas áreas e pessoas, o que aumenta a complexidade na gestão e exige uma maior disponibilidade da equipe em possíveis picos. A definição de prazos e cronogramas pré-estabelecidos permitem equalizar este timing e gerar sinergia no processamento das atividades. Estabelecer uma data fixa para o pagamento e dias fixos de contratação são bons exemplos. A consolidação de demandas aumenta a sua previsibilidade e facilita a alocação do time, podendo, inclusive, evitar a necessidade de horas extras excessivas.

4. Burocracia ou atividades desnecessárias

Como o tempo, alguns processos de rotina podem se tornar obsoletos. É o caso do uso de documentos criados para uma necessidade específica e que já não têm mais sentido, a realização de conferências que já são garantidas por sistemas de TI ou a geração de relatórios customizados, que deixaram de ser utilizados. É preciso revisar constantemente os processos para identificar atividades que possam ser eliminadas ou simplificadas.

5. Atividades manuais

Um dos fatores com maior impacto na produtividade são as atividades manuais, muitas vezes decorrentes do uso de diversos sistemas legados, “herdados” de áreas descentralizadas.

Para cada necessidade de negócio, há soluções de automação de processos diferentes, como soluções de BPMs (Business Process Management), Sistemas de Gestão (ERP), entre outras, podendo trazer resultados mais imediatos ou mudanças estruturais mais complexas. Uma tecnologia que vem se tornando uma tendência é a automação de processos via RPA (Robotic Process Automation). Funciona como um assistente virtual que imita atividades realizadas por um humano, automatizando tarefas manuais e repetitivas. O RPA permite uma rápida automação das atividades a um baixo custo de implementação.

6. Ociosidade

É comum observarmos que o trabalho se expande para ocupar todo o tempo disponível. Para avaliar se o volume da demanda está adequado à quantidade de recursos de mão de obra, é necessário avaliar a produtividade individual de cada colaborador. Nas atividades com maior volume, uma boa opção é o uso da cronoanálise, uma técnica da indústria utilizada para avaliar a eficiência e o real tempo dedicado a tarefas que efetivamente agregam valor ao processo. Com essa análise, é possível verificar os pontos que tornam alguns profissionais mais produtivos que outros e identificar procedimentos que otimizam o processo, promovendo o compartilhamento dessas melhores práticas entre a equipe, melhorando o desempenho da operação como um todo.

7. Adequação Salarial

É comum nas empresas encontrarmos pessoas que estão desempenhando as mesmas funções há muito tempo. Estes profissionais têm seu custo aumentado ao longo do tempo, sem que isso seja acompanhado por um aumento na mesma proporção do valor agregado à companhia.

Sendo assim, para manter a estrutura de custos sob controle, é fundamental o estabelecimento de um plano de carreira para que profissionais tenham alternativas de desenvolver novas competências e realizar novas atribuições que geram mais valor à companhia, ao mesmo tempo que tem seu custo aumentado, seja pela correção monetária ou por promoções. Outra alternativa é realizar a renovação dos recursos que não se adequem ao plano de carreira, mantendo o custo controlado, em comparação ao desafio da função. Dessa forma, é possível alinhar a natureza e a complexidade das atividades à senioridade e ao perfil salarial dos colaboradores, dando oportunidades de crescimento para todos.

Com a prática dessas iniciativas é possível garantir uma gestão mais eficiente, tendo como resultados, não somente a redução de custos operacionais e administrativos, como também o aumento do foco em atividades que agregam mais valor ao negócio, como a análise de dados e a identificação de oportunidades que tragam ganhos para a empresa.

Tarcisio Adamek — Diretor de Desempenho Empresarial e CSC da TOTVS Consulting
Tecnologia do Blogger.